Quem sou eu

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
Especialista em Desenvolvimento Humano, Luciana Ribeiro é formada em Psicologia e Administração de Empresas, com pós-graduação em Administração de Recursos Humanos; tem formação em Personal, Professional e Leader Coaching pela Sociedade Brasileira de Coaching. Também tem formação em O.P.H (Osho Prana Healing), Florais de Bach e Reiki. Atua como Psicóloga Clínica, Coach, Terapeuta Floral, Terapeuta de O.P.H. e de Reiki. Ela associa seus conhecimentos em um trabalho que visa desenvolver o ser humano através do autoconhecimento, da expansão da consciência e do fortalecimento emocional, pois acredita que através disto um processo de transformação aconteça de forma autêntica e assertiva, gerando resultados positivos nas diferentes esferas da vida da pessoa. Também atua como Professora de Inglês desde 2005, após anos de estudo do idioma e vivência no exterior.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Como entender um nativo


Hi,
 
Grande parte dos estudantes de uma segunda língua temem o contato com um nativo ou com alguém que fale, a língua que está aprendendo, fluentemente.
 
O processo de aprendizagem de uma segunda língua requer tempo, estudo, disciplina, paciência e perseverança.
 
No começo parece impossível entender um nativo, mas não é.
 
Quando vou fazer uma entrevista inicial com um aluno, quase todos me perguntam quanto tempo eles levarão para entender e falar bem inglês.
 
Costumo dizer que é uma caminhada sem fim e neste percurso vamos aprendendo coisas novas e nos aperfeiçoando a cada dia. Eu estudo inglês há 14 anos, sou professora há 8 anos, morei 1 ano nos Estados Unidos convivendo com nativos, diariamente, e sempre digo que cada dia aprendo algo novo. Quando viajo para os Estados Unidos ou assisto programas que utilizam uma linguagem mais culta, específica e técnica, penso: "Nossa, há muitos e muitos universos que ainda não explorei".
 
Não há como definir um prazo para estar fluente ou confortável com o idioma. A única coisa que posso garantir é que leva tempo. Cada um levará mais ou menos tempo de acordo com o quanto entrará em contato com a língua. O maior desafio dos alunos é conciliar todas as atividades diárias com o estudo do idioma e vencer o cansaço. Sim, este é um fator bem real. Ficamos cansados em estudar um idioma, ficamos desanimados com a demora para notar um progresso satisfatório, mas é assim mesmo, não há outro caminho, esse cenário muda, tudo que hoje fazemos facilmente, no começo não foi assim e com o inglês é a mesma coisa.
 
Entender um nativo requer que pratiquemos a escuta o máximo possível. Conforme vamos estudando, vamos conhecendo novas palavras e novas estruturas gramaticais, mas é à medida que ouvimos pessoas falando sobre esses conteúdos que podemos vivenciar, mesmo que passivamente, o uso do que aprendemos em um contexto. Não há outra alternativa, precisamos ouvir, ouvir e ouvir nativos e até não nativos falando para criarmos uma memória auditiva do som e seu significado.
 
A repetição é algo que ajuda a memorização das palavras e estruturas gramaticais. Quando ouvimos algo várias vezes vamos, a cada vez que escutamos, memorizando uma parte do discurso. Por isso que quando moramos em outro país vivenciando a língua o tempo todo aprendemos mais rápido, porque todos os dias vivenciamos, praticamente, o mesmo contexto.
 
Um dos livros que utilizo para dar aula é o Top Notch. Eles disponibilizam vídeos no You Tube para treinar o conteúdo aprendido em cada unidade do livro. São vídeos curtos que abordam o uso do idioma em diversos cenários.
 
Se você quiser treinar seu "listening" acesse os links abaixo. Ouça o mesmo vídeo várias e várias vezes, conheça as palavras, pratique os sons e você verá que com a repetição e entendimento do cenário, sua compreensão vai aumentando.
 
Algo que ajuda muito no aprendizado do inglês é termos em mente que vamos o construindo gradualmente e, como na construção de uma  casa, há estágios a serem seguidos. Não colocamos os móveis e a decoração primeiro, primeiro construímos a base, vamos colocando tijolo a tijolo, etc.....Falo isso porque muitas vezes pegamos uma música ou um filme em que eles falam super rápido e mesmo ouvindo várias e várias vezes não conseguimos acompanhar e ficamos frustrados. Precisamos ir construindo nossa memória auditiva, primeiro com palavras mais simples, faladas em um tom mais lento e então, gradativamente, vamos expandindo o tipo de vocabulário e a velocidade.
 
No link abaixo você encontrará os vídeos do livro fundamental
 
 
No link abaixo você encontrará os vídeos do livro 1
 
 
E no link abaixo você encontrará os vídeos do livro 2
 
 
Bye!
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget